segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

QUINTA-FEIRA - 27/01/2011

Caros amigos, usuários de tranporte de duas rodas, amigos de Bando e todos os que se interessam por motocicletas e moto clubes.

O relato de hoje é sobre a noite de 27 de janeiro do corrente ano, e é estimulado pela quantidade de acontecimentos que fizeram dela um momento de muita alegria, de grande demonstração do espírito aventureiro do companheirismo existente entre os membros de moto clubes, de uma maneira geral.

Primeiramente, há de se salientar que em todas as reuniões do KCLA ocorridas neste ano, houve novas implementações. Isso é fruto do esforço comum do Clube, escolhido como um dos dez melhores do Nordeste em 2010, de estar sempre trabalhando em favor dos seus membros.
Extraoficialmente, em uma conversa informal com um dos membros, fui lembrado que “um Clube não é uma reunião de pessoas apenas, mas uma entidade formada pelos seus membros, uma força maior que transforma aqueles que participam em uma grande familia”.
E nessa reunião não foi diferente.


Só mesmo a fotografia pode revelar a alegria que sentiram os membros, tanto os que foram homenagiados com o novo símbolo, a Pegada do Leão, Red, Taborda, Natanael, Cavalcante e Fernando, o novo próspero, Fábio César, e nós da platéia, felizes porque o Clube pelo qual lutamos, nos homenageia em retribuição.

(Red homenageado como destaque do clube em 2010)

(Taborda homenageado como destaque em 2010)


(Natanael homenageado como destaque em 2010)


(Cavalcanti homenageado como destaque em 2010)


(Fernando bolacha homenageado como destaque em 2010)


(Fábio promovido a Próspero do clube)


Nessas horas o coração bate forte, por saber que meus iguais, aqueles que juntos formam o Bando de Leões, e separados ficam a espera de nos juntarmos, os melhores dentre estes, começaram o ano descobrindo que sua participação dentro do grupo se destacou e mereceu reconhecimento.
Todos nós nos esforçamos. Ao menos dentro de nossas possibilidades. Acontece que há aqueles que se destacam, e são estes os que, a partir de agora serão homenagiados com os novos símbolos. E essa euforia foi regada a um outro acontecimento não tão paralelo: a inauguração da sede do Mágicos do Asfalto Moto Clube, que a partir de agora oficialmente, nos fará compania nas noites de quinta-feira.

Para finalizar, eu diria que mesmo sendo as noites de reunião um momento usado para as resoluções administrativas e que a diversão mesmo acontece quando o Bando viaja, estas noites tem sido a prova de que, com a família reunida, sempre há lugar para o companheirismo, a união, a harmonia e principalmente a alegria.


Pois é, amigos, o ano mal começou e já temos um conjunto de medidas que vai fortalecer ainda mais o nosso grupo, a adesão de novos prósperos, a criação de novos bordados e a nossa participação na maioria dos eventos.

Aqui vos fala um amigo e colaborador do Kansas Clube Leões do Asfalto – Joel Gomes (reclamações? E-mail para: jotagomes@gmail.com)

(Joel)


Não sabemos o que somos até estarmos conectados com outra pessoa.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

CUIDADO COM A SUA AUDIÇÃO



Motociclistas podem ter audição comprometida

Especialista alerta para a necessidade do uso de protetores de ouvido

Se você quer pilotar embalado pelo ronco de sua moto por muitos e muitos anos, vale à pena proteger seus ouvidos, porque, além das preocupações com uma pilotagem segura, é preciso ficar atento aos danos que o excesso de barulho do motor podem causar à saúde auditiva.

De acordo com estudo do National Institute on Deafness and Other Communication Disorders (Instituto Nacional de Surdez e Outras Doenças de Comunicação), dos EUA, uma moto emite ruídos em torno de 95 decibéis (dB). Especialistas são unânimes em afirmar que ruídos acima de 85 dB podem causar alterações na estrutura interna do ouvido e perda permanente de audição; e o problema é mais agudo quanto maior for o barulho e o tempo de exposição do piloto a esse excesso de ruído. Como efeito de comparação, uma conversação normal atinge 60 dB.

A exposição prolongada ao barulho de uma motocicleta pode causar nos pilotos o que se denomina “Perda Auditiva Induzida por Ruído” – conhecida pela sigla PAIR.

A situação piora porque muitos motociclistas alteram o sistema de escapamento, utilizando ponteiras esportivas ou personalizadas, que elevam ainda mais o nível de ruído emitido pelas motos.

Apesar de o capacete oferecer alguma barreira, a fonoaudióloga Isabela Gomes, da Telex Soluções Auditivas, alerta para a importância do motociclista se prevenir usando protetores de ouvido. ”Os protetores reduzem o volume excessivo.

Quem usa não deixa de ouvir o som ambiente. É uma forma de proteção eficaz para preservar a audição”. Os protetores – ou atenuadores da Telex, são moldados de acordo com a anatomia do ouvido de cada pessoa. São feitos em dois modelos: o que diminui em 15 decibéis o barulho ambiente e outro que reduz em 25 decibéis.

A grande preocupação dos especialistas é que a “Perda Auditiva Induzida por Ruído” é cumulativa; qualquer dano auditivo vai se somando ao longo do tempo. Mesmo que uma pessoa se exponha diariamente por um curto período a um ruído acima de 85 dB, os prejuízos na audição podem aumentar depois de alguns anos.

A fonoaudióloga lembra, no entanto, que existem pessoas mais suscetíveis aos altos ruídos do que outras. “O ideal é consultar um especialista e fazer um exame, chamado audiometria, para detectar se já existe alguma perda auditiva e ter as orientações necessárias para prevenir ou impedir o agravamento do problema”, aconselha Isabela Gomes.

Outro grave problema é o uso de aparelhos, como MP3, enquanto se dirige, um hábito de muitos pilotos de moto. “Além do barulho da moto, o piloto ainda está exposto ao barulho da música que pode atingir mais de 100 decibéis, causando danos ainda mais graves. Nesses casos, o problema pode chegar mais cedo. Por isso, a prevenção é muito importante”, conclui a especialista da Telex Soluções Auditivas.



Fonte : Assessoria de Imprensa do Centro Auditivo Telex

ENSAIO DE RODAS


Um dia
A guerra vai ser declarada
E seremos todos inimigos
Esportivas X estradeiras X urbanas
Motoqueiros X motociclistas
Moto grupos X moto clubes?

As esportivas deram os primeiros pipocos
As estradeiras revidaram dando o troco
As urbanas agonizam nos hospitais
Os motoqueiros armados até os dentes
Motociclistas disfarçados e prepotentes
Moto grupos imploram pedindo paz
Moto clubes atiça querendo mais

Na imprensa são postados os insultos
E fotos de motos com direitos autorais
Viramos epidemia segundo o poder público
Nos encontros a olho nu vemos a farra
E nossas ruas ensangüentadas cada vez mais

Já estão nos expulsando do downtown
Temendo uma batalha campal
Como fazem as torcidas organizadas
Bandidos que infestam o futebol

Quem começou essa maldita guerra
Quem terá o poder apaziguador
Qual o melhor modelo de festa
Sem zerinho, álcool, e barulho de motor?

Moto elétrica vem aí
Aí meu irmão
Irei ficar em casa lendo o salmo 91
Aquele que habita no esconderijo do altíssimo
E descansa á sombra do onipotente
Diz ao senhor meu refugio e meu baluarte
Mil caem ao teu lado
Dez mil a tua direita
Mas tu não serás atingido
Somente com teus olhos contemplarás
e verás o castigo dos ímpios.




Fonte: www.revistamotoclubes.com.br

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

TV LEÕES NO 1º ANIVERSÁRIO DOS RAPOSAS DE AÇO M.C.




Olá amigos, trazemos mais uma matéria do TV LEÕES e desta vez com duas pessoas admiradas por nós por tudo aquilo que eles são e tudo que eles representam na vida de quem esta em volta deles, Lito e Cris são Amigos, Namorados, marido e esposa e ale´m disso Presidentes do Raposas de Aço M.C. de Moreno-PE, pedimos desculpas pela má qualidade do video mais o seu audio supera tudo. Deixamos aqui também o registro de noso agradecimento aos Raposas de Aço por toda admiração que tem por nós e que sintam-se admirados e sempre lembrados por todos nós do Leões. Abraços amigos.

HOMENAGEM MAXIMA DO K.C.L.A. - RECIFE-PE


Este símbolo é a homenagem máxima concebida para homenagear os membros que se dedicam, e se doam por completo ao clube, levando suas cores e seu brasão aonde for.
Com muito orgulho e respeito, estes assimilaram a essência do clube por completo tendo, lealdade, amizade, fraternidade, orgulho, respeito e amor nas estradas e onde estiver.

O símbolo consiste de:

Um circulo que representa o infinito e continuidade das coisas, e revela o amor do membro pelo clube.

O nome do clube que o acolheu como parte de sua história.

A frase que carregamos onde vamos e que traduz nosso espírito e sangue.

A fusão de três círculos ou trevo de três folhas que representa a santíssima trindade e nossa devoção a quem é dono de nossas vidas e nos proporciona a segurança e felicidade nas estradas e na nossa vida.

E inserido nos três círculos ou trevo, o número cinco por extenso em idioma hebraico que é usado na terra onde Jesus viveu, e até nos dias de hoje.

O número cinco tem vários significados que se identificam com o clube. Na numerologia o número cinco representa a aventura, a viagem, a descoberta de novas terras e horizontes
Na religião significa os 5 ferimentos de Jesus em sua crucificação, onde lembramos o quanto ele sofreu pra nos dar a salvação e que devemos fazer valer cada minuto que ele sofreu por nós.
Também significa a citação em que indica Jesus como o Leão da Tribo de Judá em apocalipse 5:5 diz: E disse-me um dos anciãos: Não chores; eis aqui o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, que venceu, para abrir o livro e desatar os seus sete selos. Significando que é Leão por ser Rei, raiz de Davi por que Davi era firmado nas palavras Dele. E é nas raízes que se firma uma árvore, e é este leão que carregamos em nosso brasão.




Texto: Toninho

Adaptação: Joel

PEGADA DE LEÃO


Este símbolo foi criado em homenagem ao ano de 2010, ano no qual o Kansas Clube foi indicado entre os 10 melhores do nordeste brasileiro, e representa os membros que mais se destacaram dentro do K.C.L.A. – Recife-PE.

O símbolo consiste em:

1. Círculo - que representa um início sem fim.

2. Frase: “Nova Roma de Bravos Guerreiros” que idealiza nosso início, nossa criação onde nascemos para conquistar novos horizontes sem temer as adversidades.

3. As iníciais do clube juntamente com o nome de nossa cidade natal.

4. Uma pata de Leão: significa que marcamos nossa história e território em todos lugares que fomos, assim como na savana quando nos deparamos com uma pegada de leão, sabe-se que ali é um território sobre seu domínio.

5. E o ano de 2010: gravado na pata do leão em algarismos romanos significando o ano em que fomos eleitos um entre os 10 melhores clubes do nordeste, deixando assim gravado na história a nossa passagem.

Este símbolo é destinado aos 5 membros que mais se doaram e se destacaram dentro do clube em 2010, fazendo nosso brasão ser reconhecido e respeitado onde estivermos e nosso bandeirão tremular nas cidades pernambucanas e estados nordestinos, marcando assim nosso território.
Este símbolo é uma homenagem ao clube e aos membros que fazem valer as nossas cores, uma honra dedicada aos mais bravos entre os bravos Leões do Asfalto – Recife-PE.


Texto: Toninho

Adaptação: Joel

PONTO CEGO


Em motos, carros ou caminhões, o ponto cego é inevitável. Para fugir dos problemas que ele pode causar, trouxemos algumas dicas para você

A origem da expressão “ponto cego” foi emprestado da medicina. Nela, o termo significa um lugar no campo visual dos olhos que corresponde à falta de células fotorreceptoras no disco óptico da retina onde passa o nervo óptico. Uma vez que não existem células para detectar a luz nessa região do olho, parte do campo de visão não é percebido. O cérebro preenche esse “ponto cego” com informações sobre imagens ao redor e as percebidas pelo outro olho. Dessa forma, dificilmente percebemos que ele existe.

No trânsito, a história é bem diferente. O termo é usado para definir uma área de não visibilidade, ou seja, um ponto em que, devido ao posicionamento, o espelho retrovisor não é capaz de refletir informando, por exemplo, a presença de outros veículos ao redor, que muitas vezes podem estar em nossa trajetória.

Por causa dele, centenas de acidentes (muitos deles fatais) acabam acontecendo. Pilotando uma moto, um carro ou caminhão, o condutor não está livre desse mal. Sabendo do problema, fica fácil perceber que muitas das fechadas que você costuma levar no trânsito estão relacionadas à incapacidade dos motoristas de enxergarem as motocicletas que circulam nos corredores numa velocidade superior a que eles estão. Nessa situação, as motos ficam muito próximas aos carros — é como se elas estivessem se escondendo entre eles, tamanha a dificuldade de enxergá-las.

É bem verdade que as mudanças de faixa ou conversões, quando sinalizadas, não representam perigo. Mas o que fazer quando os motoristas simplesmente desviam bruscamente de algum buraco ou obstáculo que possa estar em seu caminho? Para evitar sustos e acidentes, é preciso se cercar de alguns hábitos. Primeiramente, ande sempre com o farol baixo da moto ligado e, a qualquer mudança de direção, use os piscas para sinalizá-la.

Apesar de sujarem com maior frequência, roupas mais claras e com refletivos contribuem para que você seja visto com maior facilidade. Reduzir a velocidade nos corredores também é muito importante. Dessa forma, você terá tempo para esboçar uma reação ou mesmo frear quando tomar uma fechada.

Quando você se sentir inseguro em ultrapassar um veículo, olhe no espelho retrovisor dele. Dessa forma, você poderá ver se ele está ou não o avistando. Outra prática comum entre os motociclistas (e que não ajuda em nada) é a utilização de espelhos de tamanho reduzido. Manter a moto bonita é bacana, contanto que, ao enfeitá-la, você não a torne mais insegura.

Por fim, a mais eficiente e importante das soluções: sempre pilotar com atenção redobrada.



Fonte: Mundo Moto

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

MINHA HISTÓRIA EM DUAS RODAS


Em uma das raras tardes livres de minha vida, passei o dia pesquisando sobre Motociclismo e me deparei com diversas histórias emocionantes de vários motociclistas.

Analisando sutilmente todas as que pude ler, percebi que existe um ponto em comum em todas elas.

Não importando o local, estado ou região, porte da moto, idade do motociclista, objetivo, credo ou religião; Pude constatar que de forma quase unânime, todos os motociclistas declararam seu amor ao vento na cara, ao cheiro de borracha queimando no chão, ao barulho do motor trabalhando em alta rotação, a sensação de liberdade, ao desafio aos limites de corpo, alma e fronteiras, ao prazer que é pegar uma boa estrada e presenciar um nascer do sol a mais de 100 km / h; E de todas as sensações exaltadas a mais forte e mais significativa fala do espírito de irmandade que existe entre Motociclistas, quase que como uma sociedade secreta (ou alternativa para os amantes de Raul Seixas kkk). Fala da felicidade de ter encontrado na estrada irmãos nascidos de outros úteros, mas todos ligados por cordões umbilicais feitos de correntes, óleo e auto-estradas.

Confesso que mesmo não sendo mais um garotinho, me emocionei e senti uma profunda vontade de escrever meu relato também. Quem sabe assim, não termino demonstrando o quanto a Moto e o Motociclismo se tornaram importantes para mim também?

Bem... “ERA UMA VEZ” kkk!
(comecei assim porque dizem que toda história que começa assim, termina com um “E FORAM FELIZES PARA SEMPRE”! Como não sei onde essa história vai acabar, melhor não arriscar não é? Kkk).

Então... “ERA UMA VEZ” um garoto que nasceu e se criou na garupa da moto de seu pai, lá pelos anos 80 (SIM! Se houver algum garotão se perguntando, no século passado existiam motos? SIM Existiam! E eram ótimas viu? Kkkkk).

Ele não entendia muito bem o que era aquilo... Só sabia que era massa andar na garupa daquele bicho e sentir o vento batendo na cara.

Com o tempo e com muito trabalho, o pai daquele garoto conseguiu adquirir “A máquina” A “Moto Laser” nada mais que uma CB 450 carenada e com som... Só que na época existia essa serie “Street Hawk – Traduzida para o português como MOTO LASER”

Put´s que moral !!! Ele achava o máximo quando o velho dele saia com ele para passear e a gurizada botava pra gritar “Olha a Moto Laser” kkk

Nesta época ele não sabia, mas a semente do amor a Moto já estava sendo plantada; O tempo passou e muita água passou por baixo da ponte da vida até que os caminhos do Motociclismo e o menino se cruzassem novamente.

Como destino é destino, ele se tornou Roqueiro e Músico, ou seja, o modelo americano de ver a vida já havia ocupado seu lugar em seu coração, e claro que a admiração as Haley Davisons da vida também.

Mesmo assim... Ainda não havia acontecido o reencontro entre o menino e seus caminhos em duas Rodas.
E assim mais água passou debaixo da ponte, Veio o quartel, casamento, emprego, filho e uma vida que em nada se parecia com o sonho de rodar por ai em duas rodas...

Até que em um dia...

O carro dele tava dando mais trabalho do que viciado em crise de abstinência, e ele caiu em uma armadilha... Contratou um serviço de reforma do carango com um marginal (disfarçado de Mecânico, tem muito disso por ai não é mesmo?) e no final o carro tava pior do que quando foi deixado para ser ressuscitado.

Foi ai que veio a idéia: “Vou comprar uma moto” e foi o que ele fez.

Mau sabia ele que mesmo tendo acontecido isso de forma racional, levando em consideração tempo, gastos de gasolina, valor da moto, etc... Haveria um algo mais embutido nesta decisão.

Pois bem, o menino agora chefe de família comprou a moto! E já de cara, no primeiro momento de vencer seus medos e aprender a andar neste treco (sim ele não sabia andar na Geringonça), sentiria uma sensação tão boa e inebriante... A de estar VIVO!

Logo, logo o menino estava curtindo com o ar de festa o simples ato de ir trabalhar... Pois de uma obrigação, o trajeto passou a ser um passeio. Não digo que todos os stresses do transito, e do fato de estar em um veiculo mais vulnerável não passavam por sua cabeça, mas a emoção desta nova aventura o empogava.

Mas ainda estava faltando algo. Foi ai que a Internet fez sua mágica.

Ao pesquisar por ai... Ele encontrou um Grupo de Motociclistas que lhe chamou a atenção.

Ele Achou o “Kansas Clube Leões do Asfalto – Facção Recife /PE”, deixou um recado e foi respondido de pronto! Put´s vou dar uma olhada nesses caras ele pensou...

Destino é destino...

Ele teve a cara de pau de aparecer à reunião SEM MOTO, se apresentou e foi muito bem recebido... Com o tempo cada um desses rostos desconhecidos foram tomando forma, e foi se identificando com cada um... Foi aprendendo quem era mais falante, quem era mais fechado, quem era mais maduro, quem não... E pouco a pouco, foi formando uma nova família. E justamente com essa família ele foi apresentado a um mundo novo... O mundo das Estradas.

Resumindo, o marginal que destruiu seu carro não sabia o bem que ele tinha feito ao menino, pois de uma cartada só... Ele fez com que nas curvas da vida, o menino se reencontrasse com a alegria e com o encantamento de achar que a vida tem mais a oferecer que “Trabalho, Responsabilidade, Contas e Obrigações” a vida pode oferecer ” Irmãos de Estrada” que são capazes de trocar todas as preocupações da vida (sem deixar de ser responsáveis) por um ou dois dias de liberdade, de risos e de estrada.

Sou grato a Deus por isso... Por poder compartilhar da alegria que é dividir meu tanque. Meu tempo e minhas metas de estradas com bons amigos.

Minha esposa e filho participam disso também... E conseqüentemente a minha família cresceu!

Pois bem é isso... Não sei se o fim da História terá um “E VIVERAM FELIZES PARA SEMPRE!”, mas de que isso importa? Se o presente já é tão bom? Que seja eterno enquanto dure!

E se você (é você mesmo que esta lendo isso) sente que ai dentro ainda existe um resquício de menino, que mesmo afogado em suas preocupações, contas e problemas do dia a dia... Ainda grita dentro de você.

Permita-se libertá-lo!

Seja de que forma conseguir... Religião, Futebol, Música, Cozinhar, Filhos, Carros, pára-quedismo, etc...

Pois a vida só vale a pena ser vivida se for de uma forma plena e feliz.

Eu de minha parte, descobri o prazer que é queimar o chão... Ver o sol nascer a 100 km/h e dividir isso com bons amigos.

Se tiver a curiosidade de saber como é isso... Recomendo comprar uma moto (isso mesmo...nem pense muito) e cair na estrada.

Se fizer isso, nos encontraremos por ai... E garanto que te dou nem que seja uma buzinada de cumprimento.

Boas estradas!



Eduardo Alvarez ( Wolder ), 34 Anos Motociclista há 01 Ano.
(Companheiro do Kansas Clube Leões do Asfalto – Facção Recife / PE).

AÇÃO SOLIDÁRIA K.C.L.A. - RECIFE-PE


Olá amigos, este video foi idealizado por Cesar que nos enviou para que possamos mostrar um pouco do outro lado do motociclismo que são as ações sociais do clube, com isso buscamos a melhora social da comunidade e também uma qualidade de vida melhor.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

E AGORA, QUAL MOTO ESCOLHER?


Muitas vezes comprar uma motocicleta apenas por sua aparência, cilindrada ou por ter mais acessórios pode ser uma verdadeira roubada. Para fazer a opção certa, é preciso levar muitos fatores em consideração para garantir não só a sua satisfação, como também um bom negócio.
Sonhar com uma nova motocicleta é fácil, pois existem vários modelos atraentes. Mas você saberia como escolher a ideal para a sua necessidade?

NECESSIDADE: ter definida sua necessidade é meio caminho para se comprar a moto adequada. Isso porque poderá buscar nos modelos disponíveis os capazes de atender o que você busca. É preciso ter em mente seu objetivo, que pode ser variado — desde economia de combustível, passando por mais força para encarar pequenas viagens por estradas, ou até mesmo conforto para suportar, por exemplo, uma jornada dupla de trabalho, como a dos motoprofissionais. Para entender melhor, basta observar esses exemplos: para quem busca na moto uma ferramenta de trabalho para rodar pequenas distâncias em lugares planos, sem a necessidade de carregar peso, a importância da cilindrada fica em segundo plano, o que acaba beneficiando o baixo consumo. Se parte do trajeto que você roda é de terra, talvez uma pequena trail seja a opção mais certeira e segura.

QUALIDADE X MARCA X PREÇO: você já deve saber que no mundo não há milagres, principalmente quando se fala de boa qualidade a preços baixos. Isso é fácil de entender, pois não há como um fabricante que investe no desenvolvimento de seus produtos, em tecnologia e em componentes de qualidade oferecer sua motocicleta ao mesmo preço daquele que simplesmente junta peças de segunda ou terceira linhas e chega ao consumidor vendendo uma moto quase pela metade do preço. Tenha em mente que essa diferença pode lhe custar caro. Como isso é possível? Simples, com a moto quebrando constantemente, não só impedindo de trabalhar (leia-se: de ganhar o seu pão de cada dia), como “comendo” parte de seus ganhos com peças e manutenções mais frequentes, sem falar na desvalorização, que chega a ser 50% maior que uma motocicleta cuja marca prima pela boa qualidade. Ao fazer alguns cálculos levando em consideração todos esses fatores, você poderá descobrir que, na maioria das vezes, o barato sai caro.

CONDIÇÕES DE PAGAMENTO: comprar uma moto nova é tudo de bom, desde que você não complique sua vida financeira, afogando-se em dívidas e arrumando, na verdade, um grande problema. Seja por meio de financiamento ou consórcio, nunca assuma prestações contando com grande parte de seu rendimento, pois imprevistos sempre acontecem. É melhor se comprometer com um valor mensal que possa ser pago sem muita dificuldade. As instituições financeiras utilizam como base o valor de 30% do salário. Antes de optar por financiamento ou consórcio, analise cuidadosamente as taxas de juros, de administração e os prazos.

ÍNDICE DE ROUBO: motos mais vendidas, por serem mais populares, também são as mais visadas para abastecer o mercado negro de peças de reposição. Isso tende a ser um problema, que pode se tornar num pesadelo, pois não há nada pior que pagar a prestação de uma moto que já nem está mais com você. Por isso, se sua opção for por um modelo de grande vendagem, considere gastos em alarmes ou artifícios que dificultem o roubo.

VALOR DE REVENDA: é verdade que, quando você compra uma motocicleta para trabalho, deve considerar em primeiro lugar se ela lhe dará condições de recuperar o valor investido e também prover o seu sustento. Mesmo assim fica mais fácil trocar de motocicleta quando se obtém uma quantia maior com a venda da moto usada. Por isso, vale pesquisar os modelos que tem melhor valor de revenda. Seu bolso irá agradecer.

“A melhor moto é aquela que está na sua garagem, que está em dia com sua manutenção e que tem gasolina pra andar”



Fonte: Mundo Moto

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

MOTO FOLIA 2011



Neste final de semana foi realizado o Moto Folia 2011 na praia de Piedade, que antes era realizado no Marco Zero do Recife, nos Moto Folia anteriores não houve tantos motociclistas quanto o deste ano e com certeza os próximos anos vão melhorar muito. vale destacar que o local para o evento foi a beira mar tendo bastante espaço para os expositores, as pessoas que não fazem parte deste meio mais admiram o nosso estilo foi em número menor é provável que a mudança do local deixou muita gente sem saber, que naturalmente seria um público bem maior.





Uma da novidades deste ano foi a competição de futvôlei entre moto clubes, e o prêmio destaques de 2010 como em anos anteriores foi o maior atrativo da festa, foram homenageados os 10 Motociclistasmais indicados pelos clubes nordestino, os 10 eventos e 10 Moto clubes no qual o Kansas Clube leões do Asfalto - Recife-PE foi homenageado entre os 10 melhores do ano de 2010.



(Leões reunidos)



(Wilk recebendo o trofeú de clube destaque 2010)


Na programação do evento além de ótimas bandas houve também apresentação da dança do ventre da Companhia Nana Queiroga que foi uma excelente apresentação, oferecido pelo Clube Nomad MC.



Deixamos o nosso registro de mais um belo evento realizado com o mais repleto espirito moticiclista, todos os organizadores estão de parabéns assim com os destaques 2010 do motociclismo nordestino.




(Representantes dos clubes, eventos e motociclistas destaque em 2010)







Texto: Renato ninja, com adaptação de Toninho

Fonte: www.renatolyra.blogspot.com

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

SEGURANÇA NA PISTA - SINALIZAÇÃO HORIZONTAL

A sinalização horizontal, (faixas pintadas sobre as ruas e avenidas das cidades) merece uma atenção especial por parte de todos os condutores que em nossas ruas trafegam, em especial com condição de pista molhada.

É possível observar em todas (ou quase todas) as ruas e estradas, as demarcações às margens da pista sua linha central segmentada ou continua, dupla ou simples, bem como em alguns locais específicos sinalização de direção, pistas para retorno, parada obrigatória, limite de velocidade, entre tantos outros sinais demarcados horizontalmente em nossas vias, em alguns casos ocupando grande parte da pista e com faixas espessas.


O material utilizado nestas faixas em geral oferece um baixo coeficiente de atrito em relação ao pavimento, seja ele asfalto ou concreto como ocorre em muitas de nossas rodovias e avenidas, esta situação se agrava em grandes proporções com o piso molhado, onde esta sinalização torna-se muito escorregadia.

Não obstante esta sinalização em muitos pontos deixa a desejar em refletividade, especialmente à noite, quando mais precisamos de sua eficiência, isto desconsiderando os locais onde não está conservada adequadamente e ou sequer existe.


Não raros são os casos de colisões por frenagens sobre este tipo de sinalização, especialmente sob chuva, mesmo com o devido cuidado

Imaginemos agora os efeitos desta sinalização para as motos, a área de contato do pneu de uma moto, raramente é superior a espessura de uma faixa de sinalização, ou seja se o motociclista por algum motivo for obrigado a fazer uma curva por exemplo, sobre a sinalização já estará correndo um risco de queda, consideremos ainda uma frenagem, onde a área de contato do pneu estará completamente sobre a área sinalizada.

Com chuva, pista molhada, naturalmente escorregadia, soma-se os vários materiais que ficam depositados no piso, como areia, óleo, os próprios fragmentos do asfalto, a borracha dos pneus dentre outros, sobre a sinalização a qual naturalmente já é escorregadia, teremos nestas condições verdadeiras armadilhas em nossas ruas e estradas.

Existe no Brasil o Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito Volume IV (Sinalização Horizontal) do CONTRAN sob a Resolução 236 de Maio de 2007.
Este Manual concedeu prazo até 30 de junho de 2008 para adequação às novas especificações.

Este documento de abordagem técnica, objetiva regulamentar a sinalização horizontal no País referente aos aspectos técnicos e mecânicos, como cores e largura de faixas de sinalização, no entanto é possível observar no item 4.6 (Materiais) que não há menção referente ao coeficiente de atrito dos materiais a serem empregados porém a titulo de sugestão alguns materiais são mencionados.

A baixo na integra o referido item obtido diretamente no manual do CONTRAN.

“4.6 Materiais"


Diversos materiais podem ser empregados na execução da sinalização horizontal.
A escolha do material mais apropriado para cada situação deve considerar os seguintes fatores: natureza do projeto (provisório ou permanente), volume e classificação do tráfego (VDM), qualidade e vida útil do pavimento, freqüência de manutenção, dentre outros.

Na sinalização horizontal podem ser utilizadas tintas, massas plásticas de dois componentes, massas termoplásticas, plásticos aplicáveis a frio, películas pré-fabricadas, dentre outros.

Para proporcionar melhor visibilidade noturna a sinalização horizontal deve ser sempre retrorrefletiva.”

Um destes materiais, o “plástico aplicável a frio”, mencionado é o ideal para a sinalização horizontal, devido as suas propriedades antiderrapantes e durabilidade, porém não é regulamentado o uso deste material é apenas sugerido.

Segue a descrição deste material conforme a empresa que o aplica no Brasil.“

O plástico a frio é uma “tinta líquida” com uma formulação especial isenta de solventes, constituída por resina reativa pura de metilmetacrilato associada a pigmentos, aditivos e cargas apropriadas, por vezes, com microesferas de vidro.
No ato da aplicação é adicionado e homogeneizado o endurecedor, que dá início à reação química.”

Na Europa este material é de uso obrigatório conforme a norma EN 1423:1997, ratificada pelo CEN (Comitê Europeu de Normatização) a qual especifica conforme descrição a baixo.

“Materiais para marcação rodoviária – Materiais de projeção – Microesferas de
vidro, agregados antiderrapantes e mistura destes dois componentes”

Este material é o “plástico aplicável a frio”, o qual já foi testado em cidades de alguns estados no Brasil, mas não sob a ótica de promover a segurança no transito proporcionando um maior coeficiente de atrito e sim sua viabilidade econômica, tendo em vista sua maior durabilidade.

Não encontrei qualquer menção no sentido de regulamentação do material a ser empregado na sinalização horizontal, quanto à antiderrapagem para o Brasil, a única regulamentação encontrada referente aos materiais foi a mencionada o item 4.6 do Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito.

Por enquanto teremos de permanecer tomando cuidado com a sinalização, procurando não fazer manobras e não usar os freios sobre a mesma, especialmente com piso molhado, evitando desta forma possíveis acidentes.

Texto: Por: Alexsander Ramos de Souza


sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

REFLEXÃO


Sempre temos visto, ouvido e lido a respeito de quanto o motociclista é discriminado no dia-a-dia do trânsito e até mesmo pela sociedade em geral.

Leis estúpidas, condenações a um canto apertado de estacionamento (quando existe), “fechadas” de carros e outros veículos maiores, dentre outros atos discriminatórios, fazem parte do cotidiano do motociclista.

Não posso tirar completamente a razão dessa sociedade discriminadora, tão acostumada a ver irresponsáveis e despreparados na condução de motocicletas, guiando feito loucos pelos corredores entre os carros, brechas entre ônibus, com motocicletas muitas vezes irregulares, em velocidade notoriamente acima do bom senso, disparando nos sinais, desrespeitando todas as regras da convivência harmônica no trânsito e, claro, ao arrepio da lei.

Mas sou um entusiasta de que essa mesma sociedade irá entender o papel da motocicleta no transporte urbano diário ou no lazer, como veículo seguro (se conduzido regradamente), econômico e politicamente correto.

Mas volto ao ponto da legislação-legisladores e seus fiscais: Louvável a iniciativa de se regulamentar (e, mais importante ainda, fiscalizar) os ciclomotores e motonetas. Temos visto blitzes priorizando a fiscalização de motocicletas, o que, particularmente, acho interessante. Porém, também seria de se esperar um maior rigor com os outros veículos, de quatro ou mais rodas, que circulam por nossas vias. Qualquer um que dê uma volta ali pelos entornos do CEASA, certamente verá kombis e outros veículos de pequenas cargas circulando sem nenhuma condição estrutural (será que tem documental?); no centro, o transito fica travado por carroças puxadas por burros ou pessoas, nas mesmas faixas de rolamento de motos, carros e ônibus; caminhões descarregam a qualquer hora e em qualquer lugar, parando onde bem entendem (em outras capitais, as prefeituras regulamentaram a descarga de caminhões apenas em determinados horários. Perfeito). Fora os problemas estruturais como buracos e bocas-de-lobo abertas que, não raro, vitimam algum amigo nosso.

E, hoje, mais uma vez encontrei no jornal uma notícia triste, fruto da falta de fiscalização e de regulamentação dessa arma em forma de brinquedo:


JC, 13/01/2011

Cerol mata motoqueiro.

O cerol, a mistura de cola com pó de vidro aplicada nas linhas das pipas, provocou uma morte em Belo Horizonte. Na noite de anteontem, um motoqueiro morreu depois de ter o pescoço cortado por uma linha de cerol no Anel Rodoviário. Paulo César Martins, 43 anos, foi atingido quando trafegava na altura do bairro de São Paulo. Parte da linha ficou presa guidão da moto. Foi o segundo caso em uma semana.

Foi em Belo Horizonte, mas poderia ter sido em Recife, Manaus, Porto Alegre, Porto de Galinhas ou Manari. A realidade é a mesma em todo o país.

Concordo em gênero, número e grau com o texto “O OUTRO LADO DA MOEDA” de autoria do Valdeci von mulhen TABORDA, publicado no “Curtas e Grossas” do dia 12/01/2011. Parabéns pela felicidade no texto.

Mas, mais uma vez torno a repetir (a redundância é proposital!): temos que nos organizar, motociclistas, pelo respeito da sociedade e dos legisladores à motocicleta. Temos que nos policiar mutuamente, para que possamos ganhar a confiança e o respeito da sociedade. Que venham mais campanhas “Zoeira to Fora”, “Cerol Não”, “Use a Cabeça”, “Basta de Peças Roubadas” e tantas outras. Mas é necessário a conscientização de todos os condutores de motocicletas também em relação a tudo isso. Senão continuaremos sendo denegridos e discriminados. Continuaremos pagando seguros maiores que os de carros. E o pior de tudo, continuaremos vendo vidas serem perdidas, jogadas fora por irresponsabilidade do Poder Público, mas também dos maus motociclistas.

As AMO, as revistas especializadas, outras associações e canais de comunicação, que são os formadores de opinião: vamos buscar divulgar a causa motociclística. Cobremos dos nossos gestores públicos, soluções e fiscalização. Vamos incutir no senso comum dos nossos motociclistas a responsabilidade que cada um tem no papel de condutor de um veículo que pode matar ou fazer morrer.

Pensem nisso.



Dário Leite "Allycats"

http://allycatsmc.blogspot.com/

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

NÓS BRASILEIROS SOMOS 'RICOS", ACREDITE!


Hoje conversando com o meu irmão, ele citou uma coisa bem interessante, NÓS BRASILEIROS SOMOS RICOS!!! Como??? É verdade, nos Brasileiros tiramos leite de pedra para conseguir-mos ter algum tipo de veiculo auto-motor, diante disso, tente pensar comigo...

1- não temos uma indústria de motos própria
2- motos de média, alta e tipos especiais, são demasiadamente caras
3- normalmente as motos que aqui encontramos, são ultrapassadas perante o resto do mercado europeu


Não quero parecer nenhum xiita critico do mercado nacional, mas vamos e venhamos precisamos salientar alguns pontos sobre as motocicletas vendidas aqui no Brasil. Vem cá... você sabe quanto custa uma motocicleta comprada na CHINA e vendida aqui? Pois bem, elas são compradas por uma média de US$ 1.000,00 (cerca de R$1.700,00) e são revendidas por mais ou menos R$4.000,00... diante desses fatos, tire suas proprias conclusões!!! (eu sei que tem imposto daqui e custo dali e coisa e tal...) Mas o ponto critico desse post é o seguinte, se pagamos absurdos por motocicletas que sabe-se lá qual é a real procedência e critérios produção, quanto é que pagamos por motos boas? Muito? Pouco? Ou o justo?


Faça-mos o seguinte, pegaremos a mesma moto, só que uma vendida nos EUA e BRASIL e farei um esboço do quando somos "ricos". Nos EUA, a Busa é vendida por nada mais nada menos que exatos US$ 13.699,00 (algo em torno de R$23.288,00) e por quanto essa mesma motocicleta é vendida no BRASIL? R$56.000,00, de uma forma curta e grossa, nós Brasileiros pagamos duas vezes o valor de uma determinada moto, para tê-la!!! Revoltante não? Eu sei que as cargas tributárias, aliada ao alto valor da importação, mais o lucro do revendedor encarecem a moto, mas... pagar dobro pelo mesmo produto que os norte americanos tem, pra mim já é um abuso!!!


Ou melhor... olhando por um prisma mais bem humorado pense o seguinte, somos "RICOS", MUITO RICOS, digo isso pois pagamos o dobro e mesmo assim temos!!!


Texto: Igor Vargas



quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

OS 10 MOTOCLUBES, MOTOCICLISTAS E EVENTOS ELEITOS COMO DESTAQUES EM 2010



Olá amigos gostariamos de agradecer a colaboração de todos os Moto Clubes que indicaram os Moto clubes, Motociclistas e Eventos do Nordeste, que foram eleitos os Destaques para o Motociclismo Nordestino, no ano de 2010.

Cada Motoclube pode fazer três indicações para cada categoria, e os 10 mais indicados abaixo, receberão o troféu de Destaques 2010, durante o Motofolia 2011, na Praia de Piedade - Jaboatão dos Guararapes, na noite do dia 15 de Janeiro de 2011.

Abaixo está a relação em ordem Alfabética dos 10 mais indicados em cada categoria, na entrega dos Troféus será revelado a ordem do Primeiro ao Décimo indicado mais desde já são todos vitóriosos. Gostariamos de agradecer a todos os clubes que votaram no nosso clube como clube destaque e ressaltar que levamos a bandeira de todos vocês que fazem do motociclismo muito mais que um estilo de vida.


Os 10 MOTO CLUBES MAIS INDICADOS
  • Amigos Do Asfalto - Santa Cruz - RN

  • Brasil Caveira - Recife -PE

  • Cactus Moto Clube - Currais Novos - RN

  • Cães De Guerra - Recife -PE

  • Cla-Destino - Paulista - PE
  • Coyoty´s Do Asfalto MC - Olinda - PE
  • Kansas Clube Leões Do Asfalto - Recife - PE

  • No Limit Moto Grupo - Tuparetama - PE
  • Sem Fronteiras - Tuparetama - PE
  • Rota 230 - Campina grande - PB

Os 10 EVENTOS MAIS INDICADOS

  • Afogados Da Ingazeira - PE
  • Bonito Moto Fest - Bonito - PE

  • Cactus Moto Fest - Currais Novos - RN

  • Campina Grande Motofest - Campina Grande - PB

  • Catolé Moto Sertão - Catolé Do Rocha - PB

  • Emocap - Monteiro - PB
  • Moto Energia - Paulo Afonso - BA
  • Olinda Moto Fest - Olinda-PE
  • Santa Cruz Motofest - Santa Cruz - RN

  • Santana Moto Fest - Santana Do Ipanema - AL

Os 10 MOTOCICLISTAS MAIS INDICADOS

  • Alexandre Vovô - Filhos do Vento - Recife - PE
  • Alvaro Lucena - Rota-230 - Campina Grande - PB
  • Baiano - Amigos do Asfalto - Santa Cruz-RN
  • Brasil Caveira - Recife - PE
  • Cabulau - Tigres do Agreste - Toritama - PE
  • Carioca - Clã-Destino - Paulista - PE
  • Cilo Mágico - Mágico Do Asfalto - Olinda - PE
  • João Cabelo - No Limit Tuparetama - PE
  • Mauricio - Jegues Do Asfalto - Santana Do Ipanema -AL
  • Rodrigo Simeão - Cães De Guerra Moto Clube Recife - PE

Desejamos a todos o mais sincero parabéns!

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

O OUTRO LADO DA MOEDA

Tenho visto, lido e escutado muitas reportagens em relação a acidentes com motos, e a maioria das vezes já condenando o condutor da motocicleta como causador do acidente,. Dizem que condutor de motocicleta não respeita sinal, faz ultrapasagens com risco e outras coisas mais. Não vou aqui defender os maus condutores porque todos sabem que existem. O que quero explicar e o desrespeito com o condutor da motocicleta por parte dos condutores de automóvel e caminhões.


Estes condutores tem que saber e respeitar que a motocicleta é um veículo mais vulnerável com certeza, mas não é um veiculo barato e tambem paga todas as taxas como IPVA e SEGURO OBRIGATÓRIO que por sinal é mais caro que outros veiculos. Não vou generalizar mas muitos condutores não tem um pingo de respeito e consideração com o condutor da motocicleta e jogam seu veiculo pra cima da motocicleta, muitas vezes por pura maldade, só para ver o condutor da motocicleta em apuros.


Em uma viagem recente com meu moto clube, viajando em comboio, simplesmente um condutor ao entrar na pista, ignorou totalmente o comboio e quase derrubou um dos nossos integrantes, encostei ao seu lado fazendo sinal de desaprovação em sua atitude, mas ele acelerou o carro e novamente tirou um fino do comboio. Este tipo de atitude está sendo muito comum em ruas e estradas. Quando acontece um acidente envolvendo uma motocicleta, vão logo culpando o motociclista porque já é tachado de imprudente e coisa e tal. Não vejo na mídia, reportagens em defesa do motociclista. Vejo sim muitas propagandas de marcas de motocicletas. geralmente com slogans bonitos para encentivar a compra. Vejo também muitos políticos querendo fazer leis absurdas contra o condutor da motocicleta.


Mais o OUTRO LADO DA MOEDA ninguém mostra, o que o condutor da motocicleta usando seu veículo para o trabalho ou lazer sofre no nosso trânsito do dia a dia, muitos até perderam a vida ou ficaram deficientes por conta da imprudência de algum motorista, mas quem leva a pior e a má fama é sempre o motociclista. Eu acho que deveriam fazer uma campanha em massa alertando os motoristas a respeitarem mais o motociclista e ver a motocicleta como um transporte e não como um inímigo no trânsito.

(Taborda)


TEXTO: Valdeci von mulhen TABORDA "membro" do KANSAS CLUBE LEÕES DO ASFALTO / FACÇÃO RECIFE-PE

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

PRÊMIO DESTAQUES DO MOTOCICLISMO 2010



Olá amigos, a alguns anos é realizado no Motofolia em Recife-PE a premiação do motociclismo nordestino e esse ano não será diferente´só que desta vez será na orla de Piedade esse grandioso evento que coroa os destaques do ano de 2010. É uma premiação organizada pela Revista Moto Clubes que com o decorrer dos anos se tornou o maior e melhor agenda de eventos e noticias de nossa região, este ano já tivemos a honra de ser lembrado por nossas participações nos eventos da região já é muito para um clube a recém nascido e principalmente em Recife-PE onde a cena motociclistica é enorme e fomos lembrados e desde já agradecemos aos que notaram nossa presença nos eventos e nos indicaram para nós já somos premiados por dividir as estradas com verdadeiros irmãos. Segue abaixo uma parcial dos destaques mais votados por ordem alfabetica até o presente momento.




Os 20 MOTO CLUBES MAIS INDICADOS ATÉ O MOMENTO

  • Amigos Do Asfalto - Santa Cruz RN
  • Andarilho - Petrolina - PE
  • Aventureiros Do Asfalto - Natal-RN
  • Cactus Moto Clube - Currais Novos-RN

  • Cães De Guerra - Recife-PE
  • Carcarás Do Asfalto - Mossoró - RN
  • Cla-Destino - Paulista - PE
  • Comando Do Asfalto - Recife - PE

  • Estradeiros Do Auto Sertão - Catolé do Rocha - PB
  • Gargalheiras MC - Acari - RN
  • Jegues Do Asfalto M.C. - Santana do Ipanema - AL
  • Justiceiros Do Asfalto - Pau Dos Ferros - RN
  • Kansas Clube Leões Do Asfalto - Recife - PE
  • Kavaleiros De Aço - Petrolina - PE
  • No Limit - Tuparetama - PE
  • Ororubá MC - Pesqueira - PE
  • Rota 230 - Campina Grande - PB
  • Sem Fronteiras - Pernanbuco - PE
  • Tigres Do Asfalto MC - João Pessoa PB

  • Trilhados M.C. - Mossoró - RN

Os 20 EVENTOS MAIS INDICADOS ATÉ O MOMENTO

  • Afogados Da Ingazeira - PE
  • Aguia Moto Festa Caruaru - PE
  • Aracaju Motofest Aracaju - SE
  • Belo Jardim Motofest Belo Jardim - PE
  • Bonito Moto Fest Bonito - PE
  • Cactus Moto Fest Currais Novos - RN
  • Campina Grande Motofest Campina Grande - PB
  • Catolé Moto Sertão Catolé Do Rocha - PB
  • Emocap Monteiro-Pb Monteiro - PE
  • Encontro Das Cidades Camaragibe - PE
  • Gargalheira Moto Festa Acari - RN
  • Macau Moto Fest Sal Macau - RN
  • Mossoró Moto-Show Mossoró - RN
  • Moto Energia. Paulo Afonso - BA
  • Olinda Moto Fest Olinda - PE
  • Patos Moto Fest Patos - PB
  • Rota do Sol João Pessoa - PB
  • Santa Cruz Motofest Santa Cruz - RN
  • Santana Moto Fest Santana Do Ipanema - AL
  • Sousa Moto Fest Sousa -PB

Os 20 MOTOCICLISTAS MAIS INDICADOS ATÉ O MOMENTO

  • Alberto - Tuparetama - PE
  • Alvaro Lucena - Campina Grande - PB
  • Baiano, Amigos Do Asfalto - Santa Cruz - RN
  • Bode Junior - Mossoró - RN
  • Cabulau - Toritama - PE
  • Carioca - Clã-Destino - Paulista - PE
  • Carlão Intrudeiro - Caruaru - PE
  • Cilo Mágico - Magico Do Asfalto - Olinda - PE
  • Daguia - Patos - PB
  • Duran - Comando Do Asfalto - Recife - PE
  • Edjanio, Justiceiros Da Ordem - Natal - RN
  • Hamilton Mentes - Pesqueira - PE
  • Helio Cachorro Louco - Maceio - AL
  • João Cabelo - Tuparetama - PE
  • Leleto (Vaq Asfalto) - Santana do Ipanema - AL
  • Mauricio ( Jegues Do Asfalto) - Santana Do Ipanema - AL
  • Mazony (Carcarás Do Asfalto) - Mossoró - Rn Mossoró - RN
  • Rodrigo Simeão - Cães De Guerra Moto Clube - Recife - PE
  • Tarcizão - Caico - RN



Fonte: www.revistamotoclubes.com.br



O SURGIMENTO DO MC DE TRADIÇÃO E AS PRIMEIRAS AVENTURAS SOBRE DUAS RODAS


Provavelmente o primeiro moto clube que apareceu após a grande depressão e que se mantem vivo até hoje é o Cook Outlaws M.C. (1936).

Esse grupo era radicado em Cook, cidade de Illinois e mantinha seu território até Chicago. O Cook Outlaws M.C. tornou-se mais tarde o Chicago Outlaws MC e hoje é conhecido como Outlaws Motorcycle Club ou Outlaws MC.


De acordo com um membro dos Outlaws MC, na estrada a mais de vinte e cinco anos, os integrantes mais antigos da sua organização reunião-se para fazer grandes viagens. Em uma época em que as embreagens eram acionadas pelos pés e as estradas eram extremamente ruins, essas excussões eram verdadeiras aventuras sobre duas rodas. Em alguns trechos era necessário escalar montes e percorrer trilhas lisas com ½ km de distância ou ainda se equilibrar em trilhas ovais sobre placas de madeira. Um aspecto secundário dos motociclistas era o consumo maciço de álcool e a devassidão amigável, que era geral.
O símbolo dos Outlaws M.C. era gravado na parte detrás dos coletes e consistia simplesmente no nome do clube; as vestes e os revestimentos de couro, assim como o escudo e símbolos de cada facção não existiam no princípio. É interessante notar que de acordo com o site do Outlaws M.C., o logotipo do moto clube (isto é “Charlie,” um crânio centrados sobre dois pistões e bielas cruzadas, similares a bandeira do pirata Jolly Roger) foi influenciado pelo vestuário do filme The Wild One, estrelado por Marlon Brando em 1954.



sábado, 8 de janeiro de 2011

MANUAL BÁSICO BIKER


A sigla "MC" normalmente utilizada nos Brasões e nos coletes por si só já indica que a palavra é composta por dois nomes, portanto o correto é Moto Clube, ou no plural, Moto Clubes.

A sigla MC no Brasil é a abreviatura de Moto Clube, no plural MCs. No exterior o MC significa Motorcycle Club e só é utilizada por legítimos e tradicionais MCs, pois no exterior MCs não podem ser fundados clubes à revelia, somente Moto Grupos ou Facções podem ser criadas em territórios já pertencentes a MCs radicais.
Um Moto Clube pode ter além de sua sede, integrantes residentes em outras cidades e até em outros países, que tendo número necessário de integrantes é denominada de Facção, no caso de apenas um motociclista fora da sede é tido tão somente como um Representante.

Somente na sociedade existem embaixadores, no motociclismo só existem "Representantes".
Uma Facção também pode possuir sede própria na cidade onde se situa, mas não pode ter Estatuto próprio ou diretrizes diferentes da sede. A Facção utiliza o mesmo Brasão, e é recomendada a inscrição do nome da cidade, em outro bordado anexo à ele. O responsável pela Facção é o Diretor da Facção, não existindo outro "Presidente".

Qualquer entidade social, devidamente registrada, tem que ter registrada sua Ata de Criação e por conseguinte a Diretoria que a compõe, ou seja, segundo normas da legislação ( código civil ) e também de nossa Irmandade, um número mínimo de seis ( 06 ) integrantes.
No motociclismo um MC pode ser dirigido por apenas um Presidente, ou até por um Conselho de Diretores, mas o correto é que exista o Presidente, o Vice e sua Diretoria com cargos hierárquicos, podendo alguns cargos serem acumulativos.
Moto Clube de apenas um integrante, ou um motociclista e sua garupa, não existe pois um Clube é formado por sócios, integrantes, companheiros, amigos e acima de tudo irmãos... e menos de 6 integrantes é um pequeno grupo, no máximo podendo ser denominado de Moto Grupo.

Um Moto Clube é uma Associação de motociclistas para determinados fins, sejam eles quais forem, podendo inclusive um Moto Clube ser especifico para realizar competições ou possuir interesses comerciais e lucrativos. Já um Moto Grupo é mais simples, desde a sua formação, ideologia e fins, que normalmente são mais voltados apenas para o agrupamento de motociclistas e voltado para o lazer, sem compromissos diretos ou indiretos com a sociedade ou a própria Irmandade.

Toda agremiação antes de se tornar um Moto Clube deveria passar pelo estágio de Moto Grupo. Da mesma forma que um integrante começa como PP e só recebe o Brasão após ser aceito pelos irmãos, um MG só deveria passar a MC após ser aceito pela irmandade.

O Brasão, símbolo ou escudo é a identificação visual que o motociclista escudado porta de seu Moto Clube. Essa identificação é o que lhe diferencia dos demais motociclistas. O Brasão é a "bandeira" ou "as cores" do MC, nele estão representados basicamente o logotipo do Clube ( Normalmente um desenho que diz respeito ao nome ), o Nome, a sigla "MC" ou "MG" ( MC = moto clube; MG = moto grupo e em outros estados pode mudar de sigla para moto grupos, como por exemplo no estado do Paraná é usado MA = moto amigos ), nome da cidade e estado. Para um motociclista portar nas costas o brasão ou símbolo de um Clube ele tem que provar merecê-lo, é observado por meses, ou até mesmo por anos dependendo do estilo do clube, e tem que provar ser um motociclista responsável e um verdadeiro irmão de seus companheiros de clube, sejam eles do mesmo MC ou não. Portanto freqüentar a Irmandade sem portar o brasão ou símbolo do clube a que se pertence é renegar suas cores e renegar o apoio aos demais irmãos. Em Eventos a presença dos MCs é marcada por bandeiras com seus brasões e símbolos, cada um com suas cores e filosofias.

Os novos integrantes devem receber os Brasões por etapas, a medida que forem subindo de estágio. Ao entrar deve acompanhar os novos irmãos sem portar nada nas costas do colete, após ser aprovado no primeiro estágio recebe a primeira parte "PP", depois sobe "Meio Escudo" e por fim "Escudo Fechado" quando passa realmente a pertencer ao Clube, pois antes disso não é integrante efetivo e qualquer deslize pode tirar-lhe o privilégio de ingressar no MC. Mas também não significa que sendo um EF pode sair cometendo erros, dependendo do clube a que pertence a punição poderá ser muito severa, postura e conduta sempre!

Ultimamente muitos clubes descobriram que existem outros com o mesmo nome ou brasão, agora cabe a eles entrarem em acordo para que a coincidência de nomes e símbolos não venham causar problemas. Clones devem ser tratados e resolvidos sem brigas, com boa vontade e criatividade tudo se resolve. Se tudo isso não resolver, entrar com pedido judicial será o próximo nível da questão, desde que devidamente legalizado perante a lei. Como regra geral prevalece o nome para o MC mais antigo, seja por registro ou por reconhecimento pela Irmandade, cabendo ao mais novo a troca, alteração ou afiliação do nome ou símbolo. Se um motociclista escudado comete um ato indevido, e se existem mais Clubes com o mesmo nome, símbolo e cores idênticas, outro MC pode ser penalizado por culpa de um integrante que não lhe pertença. Da mesma forma não é admissível brasão, símbolos ou nomes clonados ou muito semelhantes, é muita falta de respeito e um insulto gravíssimo, pense nisso para não passar vergonha no meio biker.

A palavra irmandade provém de irmão, portanto considerando-se que os motociclistas possuem os mesmos ideais relacionados à motocicleta, se consideram "irmãos por afinidade" e portanto pertencem a uma mesma Irmandade. Claro que isso vem de muito tempo e esta Irmandade cresceu baseada em tradições e regras próprias que a tornam única, portanto sua ideologia não deve ser desvirtuada mas sim preservada a todo custo sempre honrando suas cores, um dos outros, cada um com a sua bandeira.
Apesar dos esclarecimentos descritos acima, tais regras contidas na tradição do motociclismo são repassadas por gerações entre seus irmãos e suas aplicações são feitas pelos Moto Clubes, reais representantes dos motociclistas.

Quanto ao registro de MCs há controvérsias, existem hoje segmentos dentro da Irmandade que só reconhecem os Clubes que são registrados em Cartório, já outros acham que isso e coisa para Empresa, que um MC é algo diferente, apenas uma união de Irmãos que compactuam a mesma opinião, podendo até divergir em alguns assuntos, mais que todos seguem numa única direção pensando no MC, sem muita burocracia. Considerando-se que MCs podem ser fundados com diversos fins, ambos estão certos, pois para aqueles com envolvimento financeiro, comercial ou que de alguma forma necessite do CGC ou CNPJ, o registro é vital, mas para os mais radicais e voltados para a organização tradicional, o registro é dispensável.

Notem que um segmento perpetua as raízes, décadas e séculos de regras, história e tradição. Já o outro segmento é moderno, é menos radical e está mais ligado à sociedade civil do que a própria Irmandade. No fim estes Moto Clubes possuem as mesmas finalidades, reunir os motociclistas, portanto só cabe aos novos Moto Clubes e motociclistas se decidirem por uma filosofia nova ou a tradicional.
Vale frisar também que nos dias de hoje a burocracia é um mal necessário, visto que um MC sem registro não aluga imóvel para a sede, não abre conta em banco, não contrata funcionários, não se filia a Associações ou Federações, não tira alvará para realização de Eventos, e em alguns estados e países não pode nem rodar nas estradas sem o mesmo.

Moto clubes ao contrário do que os leigos e desinformados pensam não é um grupo de motociclistas que apenas se reúnem para lazer e seus integrantes usam nas costas um desenho por estética! Moto clubes são associações baseadas na Irmandade e tradição biker. Hoje em dia precisamos diferenciar um moto clube autêntico dos diversos grupos que deveriam receber qualquer denominação exceto moto clube, como exemplo de grupos que não têm nada a ver com moto clubes e que no máximo poderiam ser denominados moto grupos. Podemos citar como exemplo os "caçadores de troféus", ou seja, grupos ou pessoas que vestem colete sem saber seu real significado apenas para conseguir lembranças que normalmente são entregues aos moto clubes como lembrança do seu evento.

A história do surgimento dos moto clubes é de certa forma complexa, pesquisando você encontra informações que associam o surgimento, em parte, ao final da guerra onde ex-militares e pilotos no pós guerra teriam feito da moto o veículo de busca de adrenalina formando diversos grupos. Nessa época já usavam identificação do grupo e mais tarde foram desenvolvendo os escudos ( brasões ) que passaram a defender e adaptavam as regras da hierarquia militar em uma irmandade formada por cargos eletivos das associações. Sabemos que muito antes disto os motociclistas já haviam percebido as vantagens de andar em grupo e já existiam associações que eram entidades sociais de pessoas que andavam de motos. A sociedade ainda confunde motociclistas com motoqueiros que aparecem em nossos encontros fazendo arruaças ( estouro de motor, borrachão, empinadas, etc. ). Além disso de 5 eventos motociclisticos 3 são na verdade feiras comerciais embutidas em nomes de encontro nacional e nada a tem a ver com nossos princípios.

A partir da década de 70 viu-se a implantação de diversos moto clubes pelo mundo, a maioria já seguindo o princípio de hierarquia e irmandade. No Brasil a popularização iniciou-se na década de 90.
Hoje muita coisa anda desvirtuada, moto clubes são criados a revelia, como nomes pejorativos e por pessoas que desconhecem a história e o espírito biker, sequer sabem o significado de um brasão, honrar e respeitar as cores e muito menos seguem os princípios de irmandade. Os moto clubes autênticos foram forçados a criar campanhas para evitar abusos e coibir arruaceiros em seus eventos, em contrapartida a cada dia são criados novos eventos que nada têm a ver com as tradições biker, na verdade são eventos que enriquecem empresários e promovem candidatos políticos que se aproveitam da população local onde os eventos são realizados para atrair admiradores de motos, já que os motociclistas autênticos passam longe de tais encontros ou são minoria.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

SEGURO OBRIGATÓRIO SERÁ DE R$ 274,06


A partir de 1º de janeiro de 2011, o seguro obrigatório para motocicletas vai ser de R$ 274,06, aumento de mais de 7% se comparado ao valor cobrado dos veículos de duas rodas em 2010 (R$ 254,16). Segundo o Conselho Nacional de Seguros Privados, a revisão do prêmio se deve ao expressivo aumento na sinistralidade, em especial das indenizações pagas em decorrência de ações na Justiça.

Apesar do aumento no valor do seguro obrigatório, as indenizações pagas nos casos de morte, invalidez permanente e reembolso de despesas médicas em decorrência de acidentes de trânsito permaneceram inalteradas: R$ 13,5 mil (morte); até R$ 13,5 mil (invalidez permanente) e até R$ 2.700 (despesas médicas).


Fonte: Mundo Moto

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

EIXO CARDÃ


Reza a lenda que eixo cardã não quebra, que não precisa de manutenção e blá, blá, blá... mas tenho reparado, recentemente, que não é bem assim.

A uns dois ou três meses atrás ví uma Vulcan 1500 com o eixo cardã quebrado e, hoje, vi uma Virago 535 também com o cardã quebrado. O interessante, é que em ambos os casos a origem do problema foi a mesma: falta de manutenção... não do sistema de cardã em si, mas da balança!

É isso mesmo, buchas de balança desgastadas e/ou rolamento da roda traseira desgastado podem originar problemas no cardã, e a explicação para isso é simpes, pois o cardã das motos é projetado para fazer apenas movimentos verticais, acompanhando o movimento da suspensão traseira. Quando as buchas da balança e/ou o rolamento estão gastos, o conjunto todo passa a ter folgas laterais. O comprimento do cardã somado ao raio e à massa da roda acaba criando um efeito de alavanca enorme, amplificando a força dos movimentos laterais causados pelas folgas citadas, o que acaba detonando o cardá, geralmente no ponto de junção com o eixo secundário do câmbio.

Então é bom que o pessoal que tem motos "cardãzadas" verifique de vez em quando o estado das buchas da balança e o rolamento traseiro, para não ter surpresas desagradáveis.


Fonte: Motoscustom.com.br

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

VIAJAR DE MOTO OU JUNTAR DINHEIRO?


Se eu tivesse simplesmente deixado de comprar minha primeira moto no extinto Mappin com meu pai em 1958 e economizado todo o dinheiro gasto com gasolina e manutenção da mesma e das inúmeras motocicletas que já possuí, que a sucederam nesses 52 anos que se passaram, teria economizado muito dinheiro...
Um dia desses, pensando nisso, ao retornar de uma viagem solo ao Chile comecei a fazer umas contas... superficialmente hoje poderia ter uns 350 mil reais guardado.

Não teria gasto dezenas de pneus, de litros de óleo e filtros, em documentação, seguros, multas de transito, manutenção, revisão, pedágio e principalmente de gasolina.

Calculo também que teria deixado de rodar uns 400.000 km...


Para tanto, deveria ter ficado mais em casa, talvez aprendido a jogar futebol, quem sabe esse ou um outro esporte pouco dispendioso. Nesse caso não teria gasto meu suado dinheirinho em equipamentos caros, capacetes, luvas, botas, roupas de motociclismo e tantas outras coisas ligadas a rodar de moto.

Pensando bem, me sinto muito feliz em não ter hoje esse dinheiro guardado, porque gastei conhecendo lugares e pessoas bacanas, vivi sempre com muita adrenalina, novas expectativas de passeios e viagens me relacionando amistosamente com todos que cruzaram meu caminho e esse prazer vale mais do que aquele dinheiro que se foi.

Sempre estou recomendando aos iniciantes no motociclismo que sigam esse caminho, dentro de suas posses, nunca deixem de possuir aquela “moto dos sonhos” de participar daquele encontro com os amigos ou de empreender aquela sonhada viagem de moto. Me preocupo primeiramente com o valor das coisas e não o preço.

No motociclismo não deve e não pode haver economia em pneu, equipamento de segurança nem limite para seus horizontes, já provei que toda moto vai a todos os lugares, depende do piloto.

Hoje aos 68 anos não me arrependo de tudo que fiz e gastei no motociclismo. Os lugares que conheci, as amizades que fiz, o vento na cara, as dificuldades, as tempestades, a poeira, os enguiços, o sol escaldante queimando...


Texto: Otavio Araujo “Gugu” - 68 anos, motociclista há 52 anos.




terça-feira, 4 de janeiro de 2011

NIMGUÉM PASSA PELA NOSSA VIDA POR ACASO!


Existem pessoas em nossas vidas que nos deixam felizes pelo simples fato de terem cruzado o nosso caminho.
Algumas percorrem ao nosso lado, vendo muitas luas passarem, mas outras vemos apenas entre um passo e outro. A todas elas chamamos de amigo.

Há muitos tipos de amigos.

Talvez cada folha de uma árvore caracterize um deles.
O primeiro que nasce do broto é o amigo pai e o
amigo mãe. Mostram o que é ter vida.
Depois vem o amigo irmão, com quem dividimos o nosso espaço para que ele floresça como nós.

Passamos a conhecer toda a família de folhas,
a qual respeitamos e desejamos o bem.
Mas o destino nos apresenta outros amigos, os quais não sabíamos que iam cruzar os nossos caminhos. Muitos desses denominamos
amigos do peito, do coração.
São sinceros, verdadeiros; sabem quando não
estamos bem, sabem o que nos faz feliz...


Mas também há aqueles amigos por um tempo, talvez umas férias ou mesmo um dia ou uma hora. Estes costumam colocar muitos sorrisos na nossa face, durante o tempo que estamos por perto.

Falando em perto, não podemos esquecer dos amigos distantes. Aqueles que ficam nas pontas dos galhos, mas que quando o vento sopra, sempre aparecem
novamente entre uma folha e outra.


O tempo passa, o verão se vai, o outono se aproxima, e perdem algumas de nossas folhas.
Algumas nascem num outro verão e outras permanecem por muitas estações. Mas o que nos deixa mais feliz é que as que caíram continuam por perto, continuam alimentando a nossa raiz com alegria. Lembranças de momentos maravilhosos enquanto cruzavam o nosso caminho.


Desejamos a todos vocês, folhas da nossa árvore,
Paz, Amor, Saúde, Sucesso, Prosperidade...
Hoje e Sempre..

Simplesmente porque:
Cada pessoa que passa em nossa
vida é única. Sempre deixa um pouco de si
e leva um pouco de nós.

Há os que levaram muito,
mas não há os que não deixaram nada.
Esta é a maior responsabilidade de nossa vida

E é a prova quase evidente de que
duas almas não se encontram por acaso!!!


Feliz 2011 repleto de realizações a todos os que por algum momento passou e os que estão ao nosso lado!

K.C.L.A. - RECIFE-PE